Raid Ibérico começa em Bragança e cinco dias depois termina na costa do Mediterrâneo

Apesar das condições meteorológicas previstas inicialmente não serem as mais favoráveis, o Raid Ibérico 2022 transportou aos céus que cruzam Portugal e Espanha 32 aeronaves e 60 pessoas por diversas localidades da Península Ibérica.

No total, foram cinco os dias dedicados à celebração da paixão de voar, tendo a 18ª edição do evento começado em Bragança, a 3 de setembro, para só terminar hoje, a 8 de setembro, após aterrar em cidades tão distintas como Aveiro e Vila Nova de Cerveira, seguindo-se, depois, Espanha, mais precisamente León, Robledillo e Castellón, uma comunidade valenciana banhada pelas águas temperadas do mediterrâneo.

Como já é hábito, em cada localidade incluída no programa, há visitas pré-estabelecidas a locais de relevante interesse cultural, paisagístico ou patrimonial, para além do óbvio deleite, por parte da comitiva do Raid Ibérico, com a gastronomia típica característica de cada um dos seis territórios sobrevoados.

E a vontade de voar e a ânsia de participar são, inefavelmente, tão imensas e só comparáveis à vontade de descobrir, não só os cantos e recantos, mas também os encantos de ambos os países, que há vários pilotos que participam no Raid Ibérico desde a sua primeira edição.

Edificada pelo Aero Clube de Bragança (ACB) e a Fundacion Cielos de León, esta é uma iniciativa cuja premissa se baseia na “promoção e a partilha dos valores culturais, patrimoniais e gastronómicos dos dois países, para além do convívio entre os amantes das atividades aeronáuticas”, consubstancia a organização que, devido às condições meteorológicas adversas, foi obrigada a cumprir metade do percurso em autocarro. “São situações que fogem ao nosso controlo, mas o mais importante é o convívio e as visitas que temos programadas em cada uma das cidades e não vamos deixar de as fazer”, fundamenta o presidente do ACB, Nuno Miguel Fernandes.

Recorde-se que este evento, devido às restrições impostas pela pandemia, não se realizou em 2020, tendo sido esta a única exceção desde a sua origem. Contudo, nem a Covid-19 conseguiu fazer tremer o Raid Ibérico, já que, o ano transato, ainda nos resquícios de dois anos que mudaram o mundo, o evento reuniu 50 pessoas e 27 aeronaves. Assim, em 2022, registou-se um pequeno aumento no número de participantes, passando para 60 e 32 aeronaves. “Não é possível, por questões de logística e de segurança, alargarmos mais o número de participantes. Este ano, uma vez mais, nem chegámos a abrir inscrições, pois os aficionados pela aeronáutica conhecem o evento e as inscrições acontecem de forma espontânea”, salienta o responsável máximo pelo ACB, Nuno Miguel Fernandes, admitindo, inclusive, ter de “rejeitar inscrições”, “por mais que nos custe”.

Adicionar novo comentário

CAPTCHA Esta questão tem a finalidade de prevenir publicações de spam.


PUB.