Trás-os-Montes com investimentos de 373 milhões de euros apoiados por fundos europeus

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) revelou hoje que a sub-região do Trás-os-Montes alcançou um volume de investimentos de 373 milhões de euros, apoiados pelos fundos europeus do Portugal 2020.

Os dados foram divulgados hoje pela CCDR-N, após uma reunião de trabalho, que decorreu na terça-feira, em Bragança, com a Comunidade Intermunicipal Terras de Trás-os-Montes (CIM-TTM).

"No atual ciclo de financiamento comunitário, a sub-região de Trás-os-Montes regista um total de 1.140 projetos aprovados. A maior fatia é destinada ao investimento público, mas o investimento empresarial ascende já a um terço do total apoiado”, acrescenta a CCDR-N.

Assinala, igualmente, que os maiores projetos aprovados, em valor, são desenvolvidos por empresas.

O presidente da CCDR-N, António Cunha, afirmou aos jornalistas que os pacotes de investimentos assegurados em Trás-os-Montes "fazem um retrato muito expressivo da aposta dos fundos estruturais no desenvolvimento da qualidade de vida destas regiões de baixa densidade", e promovem não só a "coesão territorial e social", mas também o "seu potencial humano e a competitividade da sua base económica".

O responsável disse que a reunião de trabalho serviu também para dar a conhecer as tipologias de investimento, estratégias de atuação, concertação de projetos, para os novos desafios dos fundos comunitários entre o período até 2030.

"Há uma estratégia para que o território possa dar resposta a questões que preocupam os diversos municípios e que vão desde a rede de transportes, a cobertura de rede de telecomunicação, a inovação e acolhimento de indústrias, que são alguns dos investimentos identificados", vincou.

No comunicado, a CCDR-N refere que estes encontros com as entidades intermunicipais são um "exercício de concertação estratégica muito importante", por estarem associados a um "momento decisivo" na execução do atual ciclo de fundos estruturais e de definição do Portugal 2030.

cim

Por seu lado, o presidente da CIM-TTM, Artur Nunes, disse hoje à Lusa que o regadio é um dos projetos estruturantes para o território, já que se trata de uma questão antiga.

"O Ministério da Agricultura já propôs fazer um estudo a nível nacional para que cada um dos nove concelhos da CIM possa usufruir de um sistema de regadio e desta forma elaborar uma candidatura, tendo em vista o próximo quadro comunitário", referiu Artur Nunes.

Para a CCDR-N, entre os maiores projetos do território da CIM-TTM estão os investimentos da empresa Faurécia (equipamentos para automóveis) e da Contraport (componentes metálicos), em Bragança, para a criação de unidades produtivas.

Segundo a uma nota emitida pela comissão, o investimento da Faurécia neste território ascende aos 40 milhões de euros, ao que se soma o investimento da Contraport que é de cerca de 6,2 milhões de euros.

O gestor do Norte 2020 destacou que, "no ranking dos investimentos", os projetos ligados ao setor do turismo merecem também um grande destaque nesta sub-região, em particular a construção do Premium Bragança Hotel & Spa, um investimento de 4,5 milhões de euros.

No setor público foram assinalados os investimentos ligados à qualificação das pessoas e à empregabilidade, naquela que é considerada "uma aposta muito relevante da região", assim como os investimentos associados à qualificação das infraestruturas de serviços públicos.

"O investimento em formação profissional para jovens ascende a 34 milhões de euros (com 29 milhões de financiamento comunitário), distribuído em 60 projetos, e o apoio à empregabilidade de grupos vulneráveis apresenta um investimento que ronda os nove milhões de euros", indica aquela entidade.

Segundo o organismo, na dimensão da cultura e do património ganha destaque o investimento do município de Bragança relativo à reabilitação dos antigos silos da EPAC para o Museu de Língua Portuguesa (um investimento de 4,4 milhões de euros) e, na dimensão da mobilidade, a aposta é feita nas infraestruturas de mobilidade suave e no serviço de transportes coletivos, que representam um investimento de 4,2 milhões de euros.

A CCDR-N salienta ainda o investimento na eficiência energética do Hospital de Bragança (num montante de 3,8 milhões de euros) e na requalificação da Escola Secundária de Mirandela (3,1 milhões de euros).

faurecia

 

Adicionar novo comentário

CAPTCHA Esta questão tem a finalidade de prevenir publicações de spam.


PUB.

The website encountered an unexpected error. Please try again later.